SENTI UM VAZIO

(no começo, quando o coração foi embora, mas agora está tudo bem)

2013

     Em Senti Um Vazio, a personagem principal é Dijana, uma jovem traficada do Leste Europeu para a Inglaterra, que, para suportar sua rotina de prostituição forçada, ela cria um modo de vida ilusório, no qual ela mesma tenta acreditar, cheio de esperanças, alegrias, expectativas e loucura.

 

     A história é narrada a partir de fragmentos de memória, delírios e desejos da personagem traficada, que passa o tempo procurando meios de juntar o dinheiro que deve ao seu ex-namorado, agora seu cafetão, para se ver livre de sua condição e resgatar seu passaporte. Mas mesmo depois que Dijana consegue o dinheiro necessário para quitar sua dívida, é espancada e foge para a cidade litorânea de Brighton onde acredita que está sua filha e acaba sendo presa e encaminhada a uma prisão para imigrantes ilegais, vítimas de tráfico de seres humanos.

 

     Ainda que baseado em uma pesquisa sobre casos reais de tráfico de mulheres na Europa com objetivo de explorar a prostituição, Senti Um Vazio é construído sobre uma narrativa subjetiva e fragmentada, com ampla sugestão de um espaço cênico não realista, como de fato o foi em sua montagem de estreia em Londres.

 

     A montagem da Companhia do Ator Careca extrapola as dimensões realistas e sociais do tema do tráfico de seres humanos e da prostituição em busca de uma abordagem mais criativa e contundente sobre a dor enlouquecedora de perdas irreparáveis.

 

     Desde o princípio o público é convidado a entrar na cabeça de alguém devastado por uma imensa dor. Mas a protagonista, Dijana, é também ferozmente agarrada à beleza da vida, ainda que essa “beleza” seja o retrato vendido por uma propaganda de televisão. O choque entre a crueza de sua condição, como apresentada para a plateia, e a forma luminosa e sonhadora como Dijana descreve a si mesma e seu dia a dia, conduz a encenação em um jogo de luz e sombra, fato e invenção.

 

     Apropriando-se de elementos da performance, a encenação joga com as funções do fazer teatral de forma que os operadores de som e luz são também atores, os atores alternam papéis e funções.

 

     Em Senti Um Vazio a ilusão cênica está sempre um plano atrás da Construção Cênica, onde o público percebe o esqueleto por detrás da poesia; o performer por trás dos personagens. Algumas vezes com um verniz brilhante e às vezes com absoluta crueza.

Texto de Lucy Kirkwood

Direção de Mônica Granndo

Tradução de Alberto Guiraldelli

Elenco: Marcela Grandolpho

               Alberto Guiraldelli

               Karina Zichelle

               Fabul Henrique

Cenografia: Fábio Jerônimo

Figurinos: Jessica Cidrao

Trilha Sonora Original: Reinaldo Guiraldelli

Iluminação: Mônica Granndo

Fotos de Mariva Lima

Op.de Som e Luz: Karina Zichelle e

Fabul Henrique

Assessoria de Imprensa: Inédita

Produção: Companhia do Ator Careca

© 2014 pela COMPANHIA DO ATOR CARECA.

  • w-facebook
  • YouTube Classic