UMA QUESTÃO DE TEMPO

2012/2013

Companhia do ator careca

    Tendo como inspiração as questões sobre o tempo e as investigações cênicas dos atores desse projeto, o dramaturgo Alberto Guiraldelli se envolveu e trouxe para o palco, numa comicidade toda própria, situações que misturam o engraçado, o patético, o poético e o irônico, com um tempero que ele vem aprimorando a cada peça que escreve, como: O Fracasso e Essa Moça, ligando para Tom Waits ainda acordado em Istambul.

 

    Nesse caso a peça trata de fragmentos do cotidiano, visto pela ótica dessa interminável discussão do homem com o tempo que lhe cabe. Desse olhar temos um resultado divertido e instigante que nos faz pensar sobre a existência, desde simples problemas com o ponteiro do relógio, até a reflexão sobre uma vida inteira de escolhas irreversíveis, pois o tempo não volta atrás.

   

    A peça Uma Questão de Tempo é composta de várias cenas que tem como fio condutor a relação do ser humano com o tempo. Tempo pra relaxar; A linha do tempo de um casal; o tempo como algo enlouquecedor pela repetição de padrões e suas demandas sociais e culturais.

 

    As mazelas imperceptíveis de nossa relação com o tempo, que não tem culpa de nada, que se não fosse pela civilização, nem saberia que existe, é o mote que conduz as trajetórias dos personagens. São histórias que refletem o dia a dia de cada um. É difícil não se identificar em algumas das cenas, em que a noção do tempo – ou falta dele – está sempre presente.

 

    É a executiva que não consegue se desligar durante uma massagem, ou o executivo apressado enfrentando um trânsito infernal para chegar ao aeroporto. São apresentados amores desfeitos e refeitos e a inexpugnável presença da morte. Muitas vezes são histórias para rir de si mesmo, se emocionar e sempre refletir.

 

    Criação coletiva dos atores da Companhia do Ator Careca, a montagem teve origem nas angústias e inquietudes vivenciadas pelo grupo em relação ao tema. As cenas tratadas com pinceladas de humor mostram um tempo que consome e é consumido. O cenário contém a ideia do sótão - um local onde são armazenadas todas as lembranças, baús, malas velhas e cortinas que refletem a passagem do tempo.

Dramaturgia de Alberto Guiraldelli

Direção de Mônica Granndo

Elenco:    Christiane Lopes

               Carlos César

               Lucas De Lucca

               Renata Mazzei

               Rick Conte     

Cenografia: Fábio Jerônimo; Nezitto

Figurinos: Christiane Lopes

Trilha Sonora: Cia Ator Careca

Iluminação: Mônica Granndo

Op. de Luz e Som: Rachel Zichelli, Karina Zichelli

Programação Visual: Karen Francis

Assessoria de Imprensa: Amália Pereira

Fotos: Mariva Lima

Produção: Companhia do Ator Careca